comunicação

Notícias

28 de novembro de 2017

Campanha contra
assédio no transporte

Campanha contra

Com a intenção de coibir o assédio sexual que acontece dentro do transporte coletivo urbano, empresas de várias cidades brasileiras investem em campanhas que alertam que a prática é crime e deve ser denunciada.Em São Paulo (SP), por exemplo, empresas de ônibus, trens e metrô se uniram em prol da causa e lançaram, no fim de agosto, a campanha #JuntosContraoAbusoSexual, divulgada por meio das redes sociais e cartazes nos sistemas de transporte público da cidade. Já "Busão sem abuso" é o slogan escolhido para a campanha lançada, no dia 2 de outubro, na cidade de Maringá (PR), na qual toda a frota da empresa Transporte Coletivo Cidade Canção (TCCC) recebeu cartazes informativos.

A empresa Capital do Agreste Transportes Urbanos de Caruaru (PE) também lançou uma iniciativa na No dia 22 de setembro, data em que se comemora o Dia Mundial Sem Carro, o Instituto do Movimento Nacional pelo Direito ao Transporte Público de Qualidade para Todos (Instituto MDT) lançou um manifesto com treze itens, sendo o primeiro deles a proposta de criação do Sistema Único da Mobilidade (SUM). A intenção é que o SUM seja criado qual mais de 160 funcionários receberam instruções sobre como lidar com situações de assédios dentro do transporte coletivo. Os colaboradores foram orientados a procurar as autoridades, inclusive desviar a rota do ônibus para uma delegacia, caso seja necessário.

A NTU também pretende desenvolver uma campanha contra o assédio sexual, a ser divulgada e disponibilizada a todas as empresas associadas e entidades filiadas.

Legislação – Em outubro, dois projetos tratando do tema foram aprovados pelo Plenário do Senado Federal e seguiram para tramitação na Câmara dos Deputados. O primeiro, PLS 740/2015, cria a figura do crime de constrangimento ofensivo ao pudor em transporte público, com pena de reclusão de dois a quatro anos para quem constranger, molestar ou importunar alguém de modo ofensivo ao pudor, ainda que sem contato físico, atentando contra sua dignidade. Se a conduta ocorrer em transporte coletivo ou em local aberto ao público, está previsto o aumento da pena, de 1/6 até 1/3.

Já o segundo, PLS 312/2017, cria o crime de molestamento sexual e estabelece pena de dois a quatro anos de reclusão para quem constranger, molestar ou importunar alguém mediante prática de ato libidinoso realizado sem violência ou grave ameaça, independentemente de contato físico.

Matéria da edição setembro/outubro de 2017, da Revista NTU Urbano

Foto:Marcos Ermínio

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

21 de agosto de 2018

Tudo pronto para Circuito de Corrida e

Caminha de Rua do Sest Senat Natal

20 de agosto de 2018

Fetronor participa do Fórum Caminhos do RN

Evento reúne os candidatos ao governo do Estado

17 de agosto de 2018

Fetronor participa do relançamento do Mais RN

Documento faz alerta para trajetória do declínio econômico do Estado

MAIS NOTÍCIAS