comunicação

Notícias

03 de julho de 2014

Realinhamento tarifário é solução e não problema
Presidente da Fetronor atribui impasse a problemas políticos

Realinhamento tarifário é solução e não problema

O presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Nordeste, Eudo Laranjeiras, atribuiu a problema político o fato de vários prefeitos, a exemplo de Natal e João Pessoa, não terem definido até agora o realinhamento das tarifas dos ônibus urbanos. "Eu tenho pena do gestor que vê a necessidade do reajuste ou realinhamento como um problema, quando na verdade é uma solução", lamentou.

Para ele, tem prefeito que prioriza o sistema de transporte coletivo, com melhores ônibus e há outros que têm medo de uma reação contrária e deixam o problema ir se agravando, agravando a situação e penalizando os usuários, até por que ele não consegue impedir o aumento nos preços do óleo diesel, dos pneus e dos salários.

Custo da gratuidade

Eudo disse ainda não ser contra as manifestações populares e no caso dos estudantes por gratuidade na passagem, lembrou que alguém tem que pagar essa conta, que apesar de indevida, vem sendo colocada nas costas dos empresários, enquanto o serviço vem se degradando, o que não é bom para ninguém. "Esperamos que os prefeitos enxerguem essa realidade e concluam pela necessidade de uma solução, por exemplo, através de subsídios, pois buscamos apenas pagar os custos do sistema", afirmou.

O presidente da Fetronor considerou um desastre o legado a ser deixado pela Copa do Mundo de futebol, que deu prioridade à conclusão das Arenas e não chegou sequer a realizar 10% das obras de mobilidade urbana que foram anunciadas, deixando-as para trás, desperdiçando uma excelente oportunidade de corrigir históricos e crescentes problemas históricos.

Crise no setor

Eudo mostrou-se ainda bastante preocupado com a entrega de serviços por entidades do setor, fato antes nunca visto, e recentemente registrado em Natal e Salvador. "O Rio Grande do Norte não tem tarifa e nenhum tipo de subsídio, pelo contrário, foi ampliado o serviço de vans, ampliando os benefícios de gratuidades e o resultado é que até agora 87 linhas já foram entregues e várias empresas com até 60 anos de existência fecharam suas portas porque não têm condições de continuar desempenhando suas atividades", advertiu.

Por fim, ele elogiou a inclusão de algumas empresas de transporte de passageiros no Supersimples, como resultado de um trabalho desenvolvido há muito tempo pela Fetronor, junto a segmentos da indústria e Sebrae, diante da proibição ao setor de fazer o recolhimento de impostos por meio do regime simplificado. "Desejamos que surjam outros projetos nesse sentido, que beneficiem o empresariado, responsável pela geração de trabalho, emprego, renda, impostos e receita no País".

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

20 de novembro de 2019

Despoluir realiza palestra na Sipatma

da empresa Cidade Alta de Pernambuco

19 de novembro de 2019

Despoluir visita empresas da Paraíba

Filiados da Fetronor recebem orientação técnica

18 de novembro de 2019

Especialistas debatem na CNT

iniciativas sustentáveis do transporte

MAIS NOTÍCIAS