comunicação

Notícias

24 de outubro de 2014

Optar por meios alternativos de transporte
deve se tornar hábito, revele II SIMT

Optar por meios alternativos de transporte

Deixar o carro em casa e fazer os deslocamentos cotidianos de outras formas – caminhando, andando em coletivos ou de bicicleta – é, essencialmente, uma questão de mudança de comportamento. Estudos apresentados pela psicóloga Adriana Jakovcevic, pesquisadora da Universidade Aberta Interamericana da Argentina nas áreas de energias renováveis, transporte sustentável e comportamento, indicam que, apesar da necessidade de infraestrutura e de alternativas eficientes e confortáveis, a decisão pelo modal que será adotado é uma questão de hábito. Ela foi uma das palestrantes do II Seminário Internacional de Mobilidade e Transportes, realizado em Brasília (DF).  

Em Buenos Aires, por exemplo, nos últimos quatro anos foram construídos 130 km de ciclovias. Apesar do incremento, o número de viagens feitas com bicicletas ainda é pequeno, embora tenha crescido: passou de 0,4% para 3%. E, entre os ciclistas, apenas 5% trocaram o carro pela pedalada. “Isso indica que somente a infraestrutura não basta. É necessário uma mudança cultural que pode ser feita com um conjunto de medidas”, explica a pesquisadora.  O que pode funcionar?De acordo com Adriana Jakovcevic, há três variáveis psicológicas que determinam o uso do transporte pelos cidadãos: a atitude, o controle comportamental e a intenção.

Assim, é preciso, primeiro, estimular uma atitude positiva. “Tem-se que valorizar os aspectos positivos dos meios de transporte. Isso cria uma norma subjetiva, ou seja, consolida o que pensamos sobre esse meio de transporte”. Isso passa, também, por municiar os usuários com informações acessíveis sobre o transporte público, rotas possíveis de serem percorridas de bicicletas ou a pé.Depois, será possível implementar uma mudança comportamental e transformar as escolhas em hábitos. “Quando o hábito de uso de outro meio de transporte fica mais forte, começamos a elegê-lo sem pensar”, afirma. 

Mas a pesquisadora alerta que essas mudanças não ocorrem do nada: elas dependem da motivação de cada pessoa, ou seja, da intenção. Por isso, as ações devem considerar o estado motivacional do público. “É preciso dar informação, fixar objetivos, criar incentivos. São medidas aplicáveis em pequenas organizações, universidades, comunidades”, explica. Mais de cem estudos, conforme a psicóloga, analisaram intervenções assim em diversos locais e constataram que elas incrementaram o uso de transporte alternativo ao individual entre 39% e 46%. 

Medidas destacadas por especialistas e já adotadas em algumas cidades no mundo, como pedágios urbanos, estacionamentos pagos e menores, na avaliação dela, até podem ajudar na promoção de novos hábitos, mas isso ocorre temporariamente. Além disso, medidas assim são impopulares e afetam quem não pode pagar pelo uso do carro. Por isso, na avaliação de Adriana, medidas mais suaves, que impactem na percepção dos indivíduos, nas suas crenças e nos seus valores tendem a ser mais efetivas.  

O II Seminário Internacional Mobilidade e Transportes ocorreu entre os dias 20 e 23 de outubro, na Câmara dos Deputados. O evento, que teve como tema “Mobilidade para Cidades Sustentáveis”, contou com o apoio da CNT (Confederação Nacional do Transporte), do Sest Senat e do ITL (Instituto de Transporte e Logística).     

Fonte: Natália Pianegonda - Agência CNT de Notícias

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

21 de fevereiro de 2020

Aviso: Recesso de Carnaval

Fetronor retoma atividades no dia 27

21 de fevereiro de 2020

Abertas inscrições para projeto

Qualificação de Cobradores no Recife

21 de fevereiro de 2020

Despoluir participa da Operação Verão 2020

Blitz educativa foi realizada em Natal-RN

MAIS NOTÍCIAS