comunicação

Notícias

13 de junho de 2013

Ônibus e automóveis são os principais meios de deslocamento dos brasileiros
Pesquisa foi divulgada pela CNT/MDA

Ônibus e automóveis são os principais meios de deslocamento dos brasileiros

Os principais meios de deslocamentos dos brasileiros são os ônibus e os automóveis – 33,4% e 29,1% utilizam, respectivamente, esta categoria de transporte para ir e voltar do trabalho, viajar ou para atividades de lazer. Os dados sobre mobilidade urbana são da 113ª Pesquisa CNT/MDA divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT). O levantamento foi realizado de 1º a 5 de junho e ouviu mais de duas mil pessoas - a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais. Sobre as outras formas de deslocamento, os entrevistados responderam que se locomovem a pé (14%), de motocicleta (12,7%), de bicicleta (5,6%) e por meio de metrô ou trem (2,9%). Outros meios foram lembrados por 2,1% dos cidadãos.


Os principais fatores para a escolha do meio de transporte são, segundo a pesquisa, a falta de opção (28,6%), o custo (16,4%) e o conforto (14,3%). Os demais indicadores lembrados foram acessibilidade (12,4%), tempo (11,4%), frequência (4,9%), flexibilidade do horário (4,7%), segurança (4,1%) e sustentabilidade (2,2%). Questionado sobre a importância de a pesquisa enfocar temas sobre mobilidade urbana, o presidente da CNT, senador Clésio Andrade, destaca que a intenção é alertar o governo. “O país precisa de R$ 500 bilhões de investimentos em infraestrutura de transportes. O governo anunciou alguns programas, mas não consegue colocar os processos licitatórios nas ruas. Existe uma falta de investimento público muito forte no país, problemas de burocracia e de gestão”, afirma.


Ainda em relação à mobilidade urbana, 49,1% dos entrevistados afirmaram que demoram até 30 minutos para ir e voltar do trabalho, da escola ou para outras atividades. Outros 25,3% e 14,2%, respectivamente, levam de 30 minutos a uma hora ou de uma hora até duas horas. Apenas 1,6% dos entrevistados responderam que perdem mais de quatro horas no trânsito. Mais um problema freqüente, decorrente da falta de infraestrutura para melhorar o tráfego, são os engarrafamentos – 30% dos entrevistados responderam que enfrentam um, dois ou mais congestionamentos diários. Quase 8% disseram que ficam parados no trânsito uma, duas ou três vezes por semana. Mais de 43% afirmaram que ainda não enfrentam nenhum tipo de congestionamento. Para 35,9% dos entrevistados, todos os tipos de veículos contribuem para os engarrafamentos. Outros 34,5% e 10,9%, respectivamente, apostaram nos carros e caminhões como os que mais prejudicam a fluidez do trânsito nas cidades. Os ônibus (5,1%) e as motos (2,6%), aparecem em último lugar na lista. 

Fonte: Agência CNT 

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

18 de julho de 2019

Sest Senat promove a Semana do Motorista

Unidades do RN e PB realização várias atividades de 21 a 28 de julho

17 de julho de 2019

Uber tira usuários do transporte coletivo em SP

De cada 10 usuários do Uber Juntos, seis eram do transporte público

16 de julho de 2019

EaD do SEST SENAT lança novos cursos

Cursos são gratuitos para trabalhadores do transporte

MAIS NOTÍCIAS