comunicação

Notícias

07 de março de 2018

8 de março
mulheres no transporte

8 de março

No Dia Internacional da Mulher, a Agência CNT de Notícias traz histórias marcantes para homenagear aquelas que fazem parte do setor de transporte.

Atualmente, o setor conta com cerca de 2,2 milhões de profissionais, sendo 17% do sexo feminino. A maior parte das mulheres possui entre 30 e 39 anos e ensino médio completo. Os dados são da Rais (Relação Anual de Informações Sociais), do MTE (Ministério do Trabalho e Previdência Social). O órgão não tem levantamento do percentual de motoristas mulheres no Brasil, mas os números ainda são baixos. Os sistemas de trens e metrôs, por exemplo, possuem cerca de 7.000 empregadas mulheres, sendo que, segundo a ANPTrilhos (Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos), apenas 500 atuam como condutoras e maquinistas. Já no modal aéreo, apenas 2,5% de todas as licenças de piloto são obtidas por mulheres, sendo que a participação feminina na cabine de comando dos aviões comerciais é de 2,7%, de acordo com a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Ainda que seja tímida, a procura feminina pelos cargos de condução já começa a despontar. O projeto Habilitação Profissional para o Transporte – Inserção de Novos Motoristas, do SEST SENAT, que visa inserir motoristas profissionais no mercado por meio da mudança da categoria da Carteira Nacional de Habilitação para C, D ou E, registrou a participação de 2.311 mulheres desde 2015. Além disso, em cinco anos, a demanda feminina cresceu 60,4% nos cursos voltados para o transporte de passageiros, de produtos perigosos e de transporte escolar da instituição. Em 2017, os cursos mais procurados pelas mulheres foram Cuidados Especiais no Transporte de Escolares, Custos Operacionais do Transporte de Cargas e A Precificação no Transporte Rodoviário de Cargas.

De acordo com a doutora em sociologia pela UnB (Universidade de Brasília), Ana Liesi Thurler, não é de se estranhar que algumas áreas mais procuradas pelas mulheres estejam ligadas ao cuidado. "Historicamente, enquanto os homens foram ensinados a trabalhar, da mulher se esperava o cuidado com o espaço doméstico e com a família. Isso justifica a grande busca por profissões na área de transporte escolar, por exemplo. O contato com crianças remonta ao ambiente de costumes", acredita. Para ela, as relações de gênero são sociais e culturais e foram construídas no interior da sociedade patriarcal, que estabeleceu o lugar da mulher e o do homem. "Por mais que as mulheres venham batalhando para sair do espaço privado e ir para o público, a ascensão é uma luta".

A professora avalia que, mesmo que estejam no processo de rompimento dessas dificuldades, poucas mulheres consideram a possibilidade de ingressar no setor de transporte porque ele ainda é tido como um ambiente masculino. "A mulher que alcança esse espaço é uma referência, porque deixa de repetir a vida da avó. Está provado que uma mulher pode pilotar avião ou trem. Essas condutoras tendem a puxar uma nova tendência e atrair motoristas com a sua coragem", acrescenta.

É o caso da proprietária da Oficina da Mulher, Agda Oliver. Após considerar que pagou um valor que não correspondia ao serviço contratado numa oficina mecânica e ter ouvido de amigos que "passaram a perna nela, porque lugar de mulher não é uma oficina", ela começou a estudar a possibilidade de abrir um espaço voltado para mulheres. Há oito anos, administra a oficina em Ceilândia, cidade a 30 km de Brasília.

OPERADORA DE METRÔ

Quando a operadora do metrô de São Paulo Maria Elisabeth de Oliveira decidiu entrar para o ramo, em 1986, não havia nenhuma mulher em posição de comando de trens no Brasil. Ela já era empregada e sabia que havia muitas pessoas do sexo feminino brigando para serem operadoras. Foi quando participou de um concurso interno e passou. Na ocasião, três mulheres foram admitidas para o cargo. O curso durou seis meses. "Muita gente pensa que o operador só fica ali na cabine, e não faz mais nada. Mas, na verdade, tem que sanar todas as falhas. Você aprende as partes teórica e técnica e tem que resolver qualquer coisa que aconteça no trem, nem que seja para ele ser rebocado", conta.

PILOTA DE AERONAVE

A história da pilota Patrícia Ramanauskas com a aviação vem do berço. Desde pequena, acompanhava o pai, também piloto. Quando concluiu o ensino médio, não teve dúvida do seu rumo profissional. Aos 16, começou a fazer cursos. Aos 17, já pilotava sozinha aviões do tipo monomotor acrobático. Aos 19, tirou o brevê para a aviação comercial. Entrou, em seguida, na faculdade de ciências aeronáuticas com o objetivo de ingressar em uma companhia aérea. Hoje, aos 24, está há três na Azul e foi a pilota mais jovem da empresa.

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

20 de julho de 2018

Cartilha da CNT esclarece implantação do eSocial

Publicação visa contribuir para a compreensão das empresas de transportes

18 de julho de 2018

Federações discutem implantação do eSocial

Superintendente da Fetronor participou da reunião na Fecomércio

13 de julho de 2018

Pesquisa aponta Campina Grande-PB

como o melhor sistema de transporte público do Brasil

MAIS NOTÍCIAS