comunicação

Notícias

18 de junho de 2018

MP contra
os clandestinos

MP contra

"Se as auto­ridades não acaba­rem com os clandestinos em Maceió, eles vão acabar com o transporte público feito pelos ônibus". A declaração forte é do promotor Jorge Dória, da 14ª Promotoria da Fazenda Pública Municipal e se refere ao crescimento na quantidade de veículos - entre particula­res, "de estouro" e até táxis e vans com permissão - que exploram o transporte irregu­lar de passageiros. Situação semelhante foi registrada em Salvador (BA) e Florianópolis (SC), recentemente, quando as empresas de ônibus ingres­saram na Justiça para romper o contrato de licitação com as respectivas prefeituras e devol­verem o serviço ao Município. Entre os motivos alegados pelas empresas estava a falta de força do órgão de trânsito local na fiscalização aos trans­portadores clandestinos de passageiros.

Em Maceió, o Ministério Público Estadual (MPE) instau­rou procedimento para apurar crime de usurpação da função pública e de descumprimento ao Código de Defesa do Consu­midor na exploração do trans­porte de passageiros.

"Não entendo porque o poder público não cassa a permissão de taxistas e de proprietários de veículos complementares que fazem o transporte clandestino de passageiros", comentou o promotor. Ele disse que, em se tratando dos clandestinos particulares, realmente uma punição eficaz se torna mais complicado. Mas, quando se trata de motoristas cadastrados pelo Município e pelo Estado, há que se tomar medidas rigo­rosas contra essa conduta ilegal.

Jorge Dória se refere ao fato de a Superintendência Munici­pal de Transportes e Trânsito (SMTT) e Agência Reguladora de Serviços Públicos de Alagoas (Arsal) terem autoridade para apreender, responsabilizar e punir com cassação da licença taxistas e transportadores complementares que cometem esse tipo de irregularidade em Maceió. As ações destes dois órgãos no sentido de coibir o transporte ilegal de passageiros ainda são insipientes.

"Já temos conhecimento do modus operandi desses dois modelos de transporte em Maceió. Estamos trabalhando e, no momento certo, vamos fazer a nossa parte. Por enquanto, estamos cobrando das autori­dades responsáveis o cumpri­mento de suas obrigações. Interessa ao Ministério Público saber porque os agentes da SMTT não podem fiscalizar neste ou naquele lugar aqui em Maceió. Por que isso está acon­tecendo? Qual é o problema?", questionou.

Mais de três mil clandes­tinos atuam em Maceió. Isso leva a uma evasão de 30% de passageiros, conforme dados do setor e que já estão em poder do MPE.

Fonte: O Dia Mais

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

20 de julho de 2018

Cartilha da CNT esclarece implantação do eSocial

Publicação visa contribuir para a compreensão das empresas de transportes

18 de julho de 2018

Federações discutem implantação do eSocial

Superintendente da Fetronor participou da reunião na Fecomércio

13 de julho de 2018

Pesquisa aponta Campina Grande-PB

como o melhor sistema de transporte público do Brasil

MAIS NOTÍCIAS