comunicação

Notícias

07 de dezembro de 2012

Governo prorroga PSI
Juros para financiamento segue congelado

Governo prorroga PSI

Frotistas de ônibus e caminhões ou mesmo proprietários autônomos de veículos, além dos passageiros, tiveram uma boa notícia na última quarta-feira, dia 5 de dezembro. O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou a prorrogação até o fim de 2013 do PSI - Programa de Sustentação do Investimento, responsável por vários tipos de financiamentos pelo BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. O programa terminaria agora em 31 de dezembro.

Entre as linhas de crédito estão a do Procaminhoneiro ( para aquisição de caminhões ) e financiamentos para compra de ônibus, bens de capital, peças e equipamentos voltados para a agricultura. As taxas de juros dentro do PSI para ônibus e caminhões vão subir em 2013, mas ainda continuam vantajosas, de acordo com o mercado. As liberações até o primeiro semestre de 2013 terão juros de 3% ao ano. Já para o segundo semestre do ano que vem, as taxas serão de 4% para o Procaminhoneiro e para a compra de ônibus e de 3,5% para equipamentos agrícolas, bens de capital, peças e componentes.

O prazo para o pagamento de financiamento de ônibus e caminhões em 2013 pelo PSI será de até 120 meses. A carência para começar a pagar varia de três meses a seis meses. Já para bens de capital e equipamentos rurais, o financiamento pode chegar a 120 meses, sendo que a carência é de três a 36 meses. Para peças e componentes, o financiamento será de 36 meses com carência a ser definida pelo BNDES.

Hoje, as taxas de juros previstas pelo PSI são de 2,5% ao ano para ônibus e caminhões. Mesmo com o aumento a partir de 2013, as taxas ainda continuam sendo mais atrativas que em outras linhas, por enquanto. Já para aquisição de energia elétrica e para o Programa Emergencial de Reconstrução, em todo o ano de 2013, as taxas de juros serão de 5,5%. O objetivo do prolongamento do PSI é elevar as taxas de investimentos no País em até 8% no ano que vem. Atualmente estão muito baixas. Para se ter uma ideia, no ano, o total de investimentos acumula queda de 3,9%. Num prazo maior, os últimos cinco trimestres só foram de queda também.

Para manter o PSI ano que vem, o governo federal vai disponibilizar R$ 85 milhões diretamente pelo BNDES e mais R$ 15 milhões que serão repassados a bancos privados. O dinheiro virá dos compulsórios, que são recursos retidos no Banco
Central sem remuneração. A TJLP - Taxa de Juros de Longo Prazo - usada como referência para os empréstimos
do BNDES vai ser reduzida durante o primeiro trimestre de 2013 de 5,5% para 5%. Para os passageiros de ônibus, a notícia é positiva. Mesmo com o ligeiro aumento para o ano que vem, a manutenção de taxas de juros competitivas e prazos maiores de financiamento permitem às empresas mais renovações e ampliações de frota, o que interfere na qualidade dos serviços prestados para a população. O PSI também poderá ser usado para operações de leasing.

Adamo Bazani, jornalista da rádio CBN, especializado em
transportes.

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

20 de junho de 2018

Inscrições abertas para Prêmio CNT de Jornalismo

Concorrem trabalhos jornalísticos veiculados entre 8/08/2017 e 6/08/2018

18 de junho de 2018

Copa SEST SENAT de Direção Segura e Econômica

Partidas entre empresas de transporte começam nesta terça-feira (19)

18 de junho de 2018

Venda de veículos não poluentes cresce no mundo

Cresce adesão e subsídio para veículos elétricos e hibridos

MAIS NOTÍCIAS