comunicação

Notícias

03 de dezembro de 2013

Fetronor protesta contra aumento do diesel
Eudo diz que Governo segue privilegiando o transporte privado

Fetronor protesta contra aumento do diesel

O setor de transporte de cargas e de passageiros foi surpreendido com mais um reajuste no preço do óleo diesel, o terceiro no ano. A Petrobras anunciou na última sexta-feira (29) um novo aumento, agora de 8%, o dobro do aumento da gasolina que foi de apenas 4%, totalizando no ano um reajuste acumulado de 21,9% para o diesel.

Para o presidente da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Nordeste (Fetronor), Eudo Laranjeiras, o reajuste trará impacto no custo da tarifa."Infelizmente, mais uma vez o Governo Federal reajustou o diesel acima da inflação e o dobro da gasolina, isso mostra claramente a priorização que o Governo dá ao transporte particular, ao invés do coletivo, que é o transporte do setor produtivo do país, esquecendo que o combustível representa 30% sobre o custo da tarifa pública, aumentando ainda mais as dificuldades das empresas de transporte de passageiros. Já o setor de cargas, naturalmente terão que repassar o aumento para o custo do frete", revelou o dirigente.

De acordo com Eudo, está na hora das prefeituras, governos estaduais e federal , reverem suas políticas de transporte público. "Não dá para entender como após uma recente manifestação nacional sobre a qualidade do transporte público, recebermos e absorvermos um reajuste desta proporção para o diesel. Porque a gasolina segue privilegiada e o diesel que interfere na composição tarifária não? E diante deste novo reajuste, não há mais como fugir da discussão sobre a desoneração dos impostos, pois os reajustes não poderão ser repassados para as tarifas, não é isto que queremos", revela.

O presidente da Fetronor defende tarifas mais baixas e a isenção do Imposto Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o óleo diesel nas bases da Fetronor, Nos estados de Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. "A iniciativa já foi implantada com sucesso no transporte coletivo de alguns estados brasileiros, pois o óleo diesel é o segundo insumo mais importante do setor, depois da mão de obra. Sem falar que a desoneração dos impostos é uma forma de manter as tarifas a preços módicos para permitir que o cidadão comum pague a sua passagem referente a esse serviço público essencial”, explica Laranjeiras.

O estado de Pernambuco aplica apenas 50% do valor devido do ICMS do diesel para as empresas que operam o transporte público, como mecanismo de evitar o aumento das tarifas. Já o estado de São Paulo aplica um subsídio de R$ 2 bilhões por ano para manter a tarifa em R$ 3,00. De acordo com Eudo Laranjeiras, o valor da tarifa é determinado pelo poder público, o que é diferente do custo tarifário, e frisa que a tarifa pode ser menos que o seu próprio custo, como acontece por exemplo com o trem de Natal, que tem cerca de 70% do seu valor subsidiado pelo poder público, reduzindo o valor da tarifa para R$ 0,50.

"O que não pode acontecer é essa falta de priorização do transporte público, e tratar os usuários deste sistema sem a devida atenção que merecem. Afinal, cerca de 70% das pessoas que se deslocam na cidade utilizam o transporte público", finaliza o dirigente da Fetronor, que ao longo dos anos vem lutando por um transporte de qualidade e sustentável.

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

21 de outubro de 2019

Frente Parlamentar Mista apresenta emenda

para criação do Fundo Nacional de Financiamento do Transporte Público

21 de outubro de 2019

Despoluir participa de ação educativa no trânsito

no município de Natal em parceria com PVT, STTU e SME

21 de outubro de 2019

Despoluir visita empresas do Rio Grande do Norte

que participam do Programa Ambiental do Transporte

MAIS NOTÍCIAS