comunicação

Notícias

06 de junho de 2013

Etiquetagem para veículos pesados
Novo programa do Inmetro foi apresentado em Brasília

Etiquetagem para veículos pesados

O pesquisador da Divisão de Programas de Avaliação da Conformidade do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), Marcos André Borges (foto), apresentou o Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) para Veículos Pesados, cujo regulamento será lançado no primeiro semestre do próximo ano. A apresentação do novo programa ocorreu na abertura do Seminário promovido pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e pelo Despoluir – Programa Ambiental da CNT. 

O programa de etiquetagem será semelhante ao já existente para veículos leves, criado em 2008, coordenado pelo Inmetro em parceria com o Programa Nacional da Racionalização do Uso dos Derivados do Petróleo e do Gás Natural (Conpet). Com base nas etiquetas de automóveis, é possível uma economia para o proprietário, segundo Marcos André, de R$ 952 por ano. Em cinco anos, para um carro popular, a soma chega a 20% do valor do carro. 

O novo programa, portanto, terá como objetivos prestar informações úteis para auxiliar os consumidores na decisão de compra, além de estimular a competitividade no setor. “O órgão regulamentador é como se fosse um super-herói e a etiquetagem surge com super poderes”, compara o pesquisador. As informações funcionam como uma visão de raio-X, que fornece dados detalhados do veículo antes de sua aquisição.

Essa será mais uma ferramenta que contribuirá para a eficiência energética no transporte e servirá de referência para as decisões governamentais. “As iniciativas isoladas não resolvem o problema, elas precisam ser integradas”, justifica o pesquisador. O Brasil hoje conta também com o Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores (Inovar-Auto) que, segundo Marcos André, não perde para nenhum trabalho realizado no mundo.  No entanto, o pesquisador acrescenta que as medidas e os regulamentos precisam ser aperfeiçoados. E, para isso, é necessária a adesão completa do setor.

Assim, todas as informações sobre emissão de poluentes, gasto de combustível e outros itens estarão integradas. Dessa forma, elas poderão oferecer um melhor retrato de como está a questão da eficiência energética no país e aonde poderão chegar os resultados das novas políticas a favor da economia de recursos, naturais ou econômicos. “Nós precisamos trabalhar com a qualidade da informação para levantar a política adequada”, concluiu. 

Na abertura do Seminário, também falaram o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan Yabiku Junior, e o diretor do Instituto de Energia e Meio Ambiente (Iema). O diretor-executivo da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Bruno Batista, mediou os debates e as perguntas. O Seminário é promovido pela CNT e pelo Programa Ambiental Despoluir em parceria com o International Council on Clean Transportation (ICCT) e o Iema. 

Fonte: Agência CNT de Notícias

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

20 de março de 2019

Transporte urbano defende segurança viária

NTU adere ao programa Laço Amarelo, do ONSV

20 de março de 2019

Fetronor aposta no governo de Bolsonaro

Eudo Laranjeiras tem boas expectativas em relação à política econômica

18 de março de 2019

Programa Despoluir lança 5 Guias Rápidos

sobre temas essenciais no transporte

MAIS NOTÍCIAS