comunicação

Notícias

07 de abril de 2016

Crise: 20 milhões
deixam de usar ônibus

Crise: 20 milhões

Os ônibus da Região Metropolitana do Recife transportaram 20,4 milhões de passageiros a menos em 2015. A queda foi de 5,21% em relação a 2014, a sétima pior entre 16 cidades. É o que revelam dados da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU). No País, a redução foi de 4,1%, com piores cenários em Curitiba e Goiânia.

A grande vilã, crê o setor, é a crise financeira, que gerou desemprego e a impossibilidade de os passageiros assimilarem as tarifas. Como comprar e manter um veículo também é caro, não é difícil prever que as ruas são cada vez mais de quem busca alternativas de se locomover, a pé ou de bicicleta. O pior é que o quadro parece longe do fim. Em janeiro, na RMR, a evasão de usuários teve índice de 9,15%. Em fevereiro, de 6,75%.

CENÁRIO - No Brasil, o mau resultado equivale a menos 900 mil passageiros por dia. As cidades pesquisadas, 14 delas capitais, detêm quase dois terços das pessoas transportadas, o que dá uma ideia do impacto negativo. A queda, que ocorre pelo quarto ano seguido, é a maior da década no setor. “Vejo uma combinação de fatores. Com a crise, a pessoa nem sai para procurar emprego porque não acha. Ocorre o estímulo aos deslocamentos a pé. O imobilismo das cidades, com os congestionamentos, também frustra. Ou seja, é uma equação da qual é difícil sairmos ainda este ano”, avalia o presidente da NTU, Otávio Cunha. “Um caminho seriam alternativas de subvenção. Pegamos São Paulo e vemos que a redução de demanda foi pequena (0,9%). Lá, o poder público banca 30% da tarifa. O cidadão sente menos”, completa.

O presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Pernambuco (Urbana-PE), Fernando Bandeira, ressalta que o início de ano difícil também teve influência das férias e do Carnaval e acredita que o resultado pode ser revertido se investimentos em corredores exclusivos continuarem. Por outro lado, reconhece que o cenário pode comprometer investimentos. “Quando houve o realinhamento tarifário, não foi prevista essa queda. Com um déficit, é natural que a primeira providência seja fazer readequações, o que afeta a renovação de frota, inclusive porque as taxas de financiamento estão muito ruins”, diz, sem adiantar em que proporção as aquisições de ônibus podem ser prejudicadas.

Fonte: Folha de Pernambuco

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

18 de julho de 2019

Sest Senat promove a Semana do Motorista

Unidades do RN e PB realização várias atividades de 21 a 28 de julho

17 de julho de 2019

Uber tira usuários do transporte coletivo em SP

De cada 10 usuários do Uber Juntos, seis eram do transporte público

16 de julho de 2019

EaD do SEST SENAT lança novos cursos

Cursos são gratuitos para trabalhadores do transporte

MAIS NOTÍCIAS