comunicação

Notícias

21 de maio de 2018

Alta do diesel
prejudica o transporte

Alta do diesel

As empresas de ônibus, responsáveis por 86,3% do deslocamento da população nas cidades brasileiras, afirmam ter registrado este ano, de janeiro a maio, prejuízo de R$ 1 bilhão devido ao aumento médio de 11% no preço do óleo diesel nos cinco primeiros meses do ano.

A Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), que representa o setor, decidiu pedir ajuda ao governo federal para conter as perdas.

"Alguma variação de preço o setor até pode absorver, mas o problema é a dosagem desses reajustes. Se continuar assim, não sei se teremos fluxo de caixa para manter a regularidade do atendimento à população", disse o presidente executivo da NTU, Otávio Cunha.

A entidade informou que já solicitou audiência com o secretário de política econômica do Ministério da Fazenda, Fábio Kanczuk, para tratar do assunto. Cunha ressalta que a gravidade da situação tem levado as empresas a buscarem reajustes emergenciais dos preços das passagens.

"Apesar das tarifas serem de competência dos municípios, o preço do combustível passa pelo governo federal. A política de reajuste da Petrobras veio de decisão do governo, e o Ministério da Fazenda tem implicação direta nisso", disse o presidente da NTU.

Cunha lembrou que o reajuste anual das passagens já ocorreu em praticamente todas as capitais entre dezembro de 2017 e maio deste ano. Ele alega que não é possível transferir as variações frequentes do preço do combustível para o valor das passagens de ônibus.

Ao Ministério da Fazenda, a NTU pretende propor uma "medida compensatória" frente à política de preços do diesel. O setor usa dados da própria Petrobras para mostrar que, nos últimos 45 dias, de 4 de abril a 18 de maio, houve um aumento de 25,42% nas refinarias, o que não chegou na totalidade às bombas de combustível.

A associação pretende retomar a discussão sobre algumas soluções indicadas pela equipe econômica do governo no auge das manifestações de 2013 contra o aumento das passagens. Cunha disse que, na época, foi avaliada a proposta de transformar o impacto de aumentos no preço do combustível, comprovado com notas fiscais, em descontos a serem concedidos no pagamento de tributos federais pelas empresas de ônibus.

"Prestamos um serviço de caráter essencial, tão importante como a saúde e a educação. É preciso que isso seja considerado. Se vier a compensação, vamos assumir o compromisso de não repassar o valor integral dos reajustes para a passagem", afirmou Cunha.

A associação destaca ainda que a alta acumulada do diesel este ano está dez vezes acima da inflação do período. O combustível representa a segunda maior parcela de custo (23%) das companhias de ônibus, perdendo apenas para a folha de pagamento de pessoal. O setor avalia que o aumento do diesel já levou 33% das 1,8 mil empresas ao endividamento.

FONTE: NTU

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

20 de agosto de 2018

Fetronor participa do Fórum Caminhos do RN

Evento reúne os candidatos ao governo do Estado

17 de agosto de 2018

Fetronor participa do relançamento do Mais RN

Documento faz alerta para trajetória do declínio econômico do Estado

16 de agosto de 2018

Despoluir vai vistoriar frota de Campina Grande-PB

Aferições nos ônibus começam no dia 20/08

MAIS NOTÍCIAS