comunicação

Notícias

24 de setembro de 2015

Acidentes de trânsito custam R$ 40 bi por ano
Cálculo faz parte de um estudo do Ipea em parceria com a PRF

Acidentes de trânsito custam R$ 40 bi por ano

O Brasil perde, por ano, cerca de R$ 40 bilhões em decorrência de acidentes de trânsito. Desse montante, R$ 12,3 bi são de ocorrências registradas nas rodovias federais e o restante diz respeito a vias estaduais e municipais. A estimativa faz parte de um estudo divulgado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada) e pela PRF (Polícia Rodoviária Federal), nesta quarta-feira (22), com base em dados de 2014.

"É um custo para a sociedade brasileira. Mais de 80% das vítimas são pessoas em idade produtiva – de 15 a 64 anos -, o que representa um impacto na renda das famílias. Mas também há uma parcela significativa do orçamento público, especialmente da Previdência e da Saúde", explica o pesquisador Carlos Henrique Carvalho. "Nós inferimos que esse valor é bem superior ao investido, por exemplo, na fiscalização e em infraestrutura", complementa.

Para se ter uma ideia, esses R$ 40 bilhões representam quase metade de todo o orçamento do Ministério da Saúde (R$ 91,5 bilhões) e é mais que a soma dos recursos dos Ministérios das Cidades (R$ 14,5 bi) e dos Transportes (R4 10,1 bi) para este ano. O pesquisador lembra, ainda, que o Brasil arrecada R$ 6 bilhões, anualmente, com multas, que devem ser investidos em educação para o trânsito.

Média de R$ 72 mil por acidente

Conforme o levantamento, o custo médio, por acidente, é de R$ 72 mil. Nos casos em que há morte, o valor chega a R$ 646 mil. O valor contabiliza cuidados com saúde e pagamentos de indenizações, os danos ao veículo e ao patrimônio público, além de custos institucionais, como da mobilização de equipes de socorro. Assim, segundo Carlos Henrique, "é importante medidas para reduzir não apenas a quantidade, mas também a gravidade dos acidentes".

Políticas públicas

O estudo do Ipea aponta, ainda, o que deve ser alvo de atenção das políticas públicas para reduzir as estatísticas. Uma delas diz respeito a ações permanentes de educação para o trânsito e garantir a correta destinação, para esta finalidade, dos cerca de R$ 6 bi arrecadados, anualmente, com multas no país. Fiscalizar e garantir a punição em casos de infração e crimes de trânsito, para reduzir a sensação de impunidade, é outra medida considerada essencial.

Os municípios também têm sua parcela de responsabilidade. Apesar de o CTB (Código de Trânsito Brasileiro) dizer que as administrações municipais devem ter órgãos de gestão e fiscalização de trânsito, menos de oito em cada dez prefeituras dispõem dessa estrutura. "É no município que começa a educação para o trânsito. Isso é muito grave", avalia a diretora-geral da PRF. Além disso, estados e municípios deveriam aprimorar os sistemas de dados sobre o tema. Essa deficiência prejudica na definição de ações específicas.

Investimentos para garantir a manutenção e melhorias das condições das vias e de suas sinalizações, inspeções veiculares periódicas e programas de renovação de frotas, para retirar veículos muito antigos e sem condições seguras de circulação da rua também são citados como ações importantes.

 

Fonte: Natália Pianegonda

Agência CNT de Notícias

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

21 de outubro de 2019

Frente Parlamentar Mista apresenta emenda

para criação do Fundo Nacional de Financiamento do Transporte Público

21 de outubro de 2019

Despoluir participa de ação educativa no trânsito

no município de Natal em parceria com PVT, STTU e SME

21 de outubro de 2019

Despoluir visita empresas do Rio Grande do Norte

que participam do Programa Ambiental do Transporte

MAIS NOTÍCIAS